Explorando a Convergência Biodigital

Explorando a Convergência Biodigital
Imagem obtida no site horizons.gc.ca

Uma organização do governo do Canadá, chamada de Policy Horizons Canada (Canadá Políticas para o Horizonte) e que pode ser acessado no endereço horizons.gc.ca, tem a função de prever estratégias e desenvolver políticas e programas orientados para o futuro que sejam mais robustos e resilientes diante de mudanças disruptivas no horizonte.

Em 11 de fevereiro de 2020, data pertinente esta, não é mesmo? Continuando: esta organização publicou um documento intitulado de “Explorando a Convergência Biodigital” que basicamente segundo eles querem demonstrar é que essa chamada convergência biodigital irá criar uma nova economia e esta economia não será baseada na obtenção de recursos como a atual, mas será baseada em microorganismos que produziram os mais variados produtos de necessidade de todos, mas será? Você acreditaria que bactérias modificadas geneticamente teriam a capacidade de produzir os matérias necessários para a industrialização dos mais diversos matérias que encontramos, basicamente de graça na natureza? Bom, vou fazer uma pausa aqui e tentar explicar como a economia atual de “obtenção de recursos” funciona.

Uma parte dos matérias que obtemos da natureza são minerais, como os mais diversos metais ou metálicos, como ferro, alumínio, chumbo, ouro, prata, sódio, potássio, cálcio, magnésio e etc. E os não metais como o hidrogênio, oxigênio, nitrogênio, carbono, fósforo, enxofre, cloro, iodo e etc.

Com a água e o carbono, a natureza associa o carbono com os mais diversos elementos minerais como citados acima, para produzir uma gama enorme de matérias utilizados nos mais diversos setores da indústria.

E na natureza as bactérias e fungos, as plantas e os animais são os responsáveis pela produção destes matérias e pela reciclagem, onde no final de um processo se inicia um novo processo, produzindo como resultado diferentes matérias.

Vou citar o exemplo da madeira, sem me adentrar muito nos detalhes de como uma árvore produz madeira, mas é evidente que uma árvore produz uma quantidade gigantesca de material orgânico em sua vida. Com uma semente que pesa algumas gramas, plantada no solo, a árvore utilizando os nutrientes presentes no ar e no solo, que são agua, carbono, nitrogênio, magnésio, cálcio, potássio, sódio, fósforo para citar alguns, os transforma em uma grande árvore, que pode ser utilizada para a obtenção de frutas, madeira e combustível.

Da mesma forma podemos citar as pastagens e os herbívoros, as gramíneas e as leguminosas da pastagem, coletam os mais diversos nutrientes do ar e do solo, produzindo vegetação fibrosa que pode ser consumida por uma vaca que em aproximadamente 2 anos transforma toda essa fibra e os minerais ali existentes em 500 kg de alimento de fácil digestão e assimilação pelos seres humanos.

Com o tempo esse material orgânico (plantas e animais) se deposita no solo, que servirá de nutrientes base para novos seres vivos emergirem e que podem produzir mais material orgânico e se as condições forem favoráveis pode vir a produzir os combustíveis fósseis (carvão e petróleo).

Carvão e petróleo são fontes de energia de alta densidade disponíveis na natureza, onde o homem pode utilizar e com isso pode evitar a derrubada de vários hectares de mata para transformar lenha em energia.

Se substituirmos estes processos naturais, onde a natureza produz os mais diversos matérias, com o uso de células ou bactérias para sintetizar estes matérias orgânicos, teremos que de qualquer forma disponibilizar energia e os mais diversos nutrientes e minerais para essas bactérias produzirem estes mesmos matérias que a natureza produz de forma natural e muitas vezes sem o gasto de energia humana, sem o envolvimento do homem.

Esse é apenas um dos pontos que este documento trata. Na verdade o documento enfatiza no aspecto transumano desta convergência biodigital como cito abaixo:

  1. Integração física completa de entidades biológicas e digitais
  2. Coevolução de tecnologias biológicas e digitais
  3. Convergência conceitual de sistemas biológicos e digitais

Segue pontos enfatizados no documento, cito:

  • Mudar os seres humanos – nossos corpos, mentes e comportamentos
  • Alterar ou criar outros organismos
  • Alterar ecossistemas
  • Detectar, armazenar, processar e transmitir informações
  • Gerenciar a inovação biológica
  • Estruturar e gerenciar cadeias de produção e suprimentos

Segue história presente no documento criado por esta organização do governo do Canadá que ilustra e coloca o leitor na narrativa que eles estão promovendo aqui, cito texto extraído e traduzido do documento Explorando a Convergência Biodigital:

Bom dia, biodigital.

Muitos fatores podem afetar como as tecnologias de convergência biodigital podem impactar diferentes sociedades, países, culturas, ambientes e pessoas ao redor do mundo. A seguir, uma das muitas narrativas possíveis que descrevem algumas das inovações em um mundo biodigital no futuro.

Acordo com a luz do sol e o ar salgado da costa do mar Adriático. Não moro perto do Mediterrâneo, mas minha IA (Inteligência Artificial), que também é minha consultora de saúde, prescreveu uma qualidade do ar, aroma e intensidade solar específicos para gerenciar meus níveis de energia pela manhã e programou meu quarto para imitar esse clima.

Os lençóis frescos cultivados em meu prédio com fungos em regeneração são melhores do que eu imaginava; Sinto-me descansado e pronto para o dia. Preciso verificar algumas coisas antes de me levantar. Eu envio uma mensagem cerebral para abrir o aplicativo que controla meus níveis de insulina e garantir que meu pâncreas esteja com o suporte ideal. Não consigo imaginar ter que me injetar com agulhas como minha mãe fazia quando criança. Agora é um transplante de micróbio que se ajusta automaticamente e relata meus níveis.

Tudo parece bem, então eu verifico a interface digital do meu cérebro para ler os dados do sonho que foram gravados e processados ​​em tempo real na noite passada. Meu aplicativo de terapia analisa as respostas emocionais que expressei enquanto dormia. Isso sugere que eu reserve um tempo para estar na natureza esta semana para refletir sobre meu sonho preso-em-uma-caixa recorrente e melhore a atividade neural subconsciente útil. Minha IA recomenda um “dia na floresta”. Eu acho “ok”, que minha IA e meu implante neural fazem o resto.

O resumo das filmagens de vigilância do meu bugbot mostra que meu apartamento estava a salvo de intrusos (incluindo outros bugbots) na noite passada, mas me notifica que meu rebanho de pequenas libélulas cibernéticas estão com fome. Elas trabalharam duro coletando dados e monitorando o ambiente externo a noite toda, mas o número de mosquitos e carrapatos que normalmente caçam para reabastecer suas energias foi menor do que o esperado. Com um pensamento, ordeno suporte nutricional para elas.

Meus pés batem no tapete regenerativo e pego um roupão de banho, embora não precise dele para me aquecer. Meu apartamento está gradualmente se aquecendo a confortáveis 22 graus, enquanto passa por uma rotina diária em constante mudança que me mantém em equilíbrio com a hora do dia e a estação do ano. Os códigos de construção e a infraestrutura de energia doméstica são sincronizados e exigem que todas as residências sejam autorreguladas para eficiência. Como casas e prédios são biomiméticos e incorporam sistemas vivos para controle climático sempre que possível, eles filtram continuamente o ar e capturam carbono. Verifico minha medida de compensação de carbono para ver quanto crédito receberei pela contribuição da minha casa para o programa de mitigação das mudanças climáticas do governo.

Enquanto vou para o banheiro, paro na janela para verificar o crescimento acelerado do prédio vizinho. A arquitetura biológica atingiu novos patamares e os compostos sintéticos de árvore estão crescendo mais a cada dia. Para garantir que o edifício possa suportar até mesmo os ventos mais fortes – e para reduzir a oscilação das residências nos andares superiores – uma impressora 3D robótica está escalando a estrutura emergente e adicionando biopolímero reforçado com carbono, fortalecendo os pontos críticos de estresse identificados por sua tecnologia suportada por IA de matriz de sensores. Estou feliz por terem decidido arborizar o telhado deste edifício com cedro vermelho resistente ao fogo, geneticamente modificado, uma vez que os incêndios florestais urbanos tornaram-se uma preocupação.

Enquanto estou escovando os dentes, Jamie, minha IA pessoal, pergunta se eu gostaria que um drone de entrega viesse buscar o dente de leite da minha filha, que caiu há dois dias. Os marcadores epigenéticos nos dentes das crianças precisam ser analisados e catalogados em nossa blockchain genética familiar para qualificar para o desconto da saúde aberta, então preciso que seja feito hoje.

Substituo o adesivo inteligente que monitora a química do meu sangue, o sistema linfático e a função dos órgãos em tempo real. É difícil imaginar os custos e o sofrimento que as pessoas devem ter suportado antes que a medicina preventiva personalizada se tornasse comum.

Além disso, admito que soa nojento, mas é bom que o município tire exemplos de fezes dos canos de esgoto. Faz parte da plataforma de analisar dados sobre diversidade nutricional, bactérias intestinais e uso de antibióticos, para auxiliar na triagem de saúde pública e combater cepas de infecções bacterianas resistentes a antibióticos.

Supostamente, o próximo download para minha pia inteligente me permitirá escolher uma mistura biótica personalizada para minha água potável sem cloro.

O detalhamento do microbioma de hoje é exibido na frente da minha geladeira quando entro na cozinha. Está acompanhando uma mudança constante à medida que me aproximo da meia-idade: hoje sugere sopa de missô como parte do meu café da manhã, porque meu bioma precisa de mais diversidade como resultado do estresse recente e da falta de alimentação na noite passada.

Os prédios do meu bairro compartilham uma fazenda vertical, então recebo créditos de carbono comendo missô feito de soja produzida no meu telhado e fermentada na minha geladeira.

Minha geladeira programa a produção de mais missô e kimchi em preparação para a próxima semana. Ele também adiciona ingredientes que estimulam o sistema imunológico ao meu pedido de supermercado porque estamos nos aproximando da temporada de gripe, e uma cepa à qual provavelmente sou suscetível foi detectada a apenas alguns quarteirões de distância.

Eu tomo meu suplemento inteligente, que acabou de sair da minha bioimpressora. O suplemento ajusta os nutrientes e micróbios adicionais de que preciso e envia dados sobre meu corpo de volta à minha bioimpressora para ajustar o suplemento de amanhã. O ciclo de feedback entre eu e minha bioimpressora também armazena dados diários na nuvem para futuras métricas de saúde preventivas. O monitoramento em tempo real dos meus triglicerídeos é importante, dados meus marcadores genéticos.

Enquanto meu café é servido, verifico o último projeto escolar da minha filha, que vem crescendo no balcão desde a semana passada. Ela está cultivando um fígado para um filhote local necessitado como parte de sua iniciativa de empatia na escola. Mais células-tronco estão a caminho de iniciar um rim também, porque ela quer ajudar mais animais. Pego meu café, preparado com uma nova variedade de grãos com certificação negativa em carbono, e sento no sofá por um minuto.

Parece que o tratamento com nutrientes que pintei na superfície do sofá e das cadeiras permitiu que eles rejuvenescessem. Vou ter que tentar o tratamento nos meus tênis de corrida bioimpressos, pois eles estão começando a se desgastar.

Oh uau – é esse o momento? Tenho apenas 10 minutos antes da minha primeira reunião virtual. Aperto o cinto da minha cadeira de força esqueleto-muscular, me inclino para trás e me conecto ao meu espaço de trabalho. Primeiro, recebo o resultado dos colegas que terminam o dia de trabalho no outro lado do mundo. Estremeço momentaneamente ao pensar em quão intimamente estamos todos conectados nesta biosfera digital – então passa. Deixe o dia começar.

Esta história pode parecer absurda, no entanto, todas as tecnologias mencionadas existem de alguma forma hoje. Embora ainda não estejam comercialmente disponíveis na forma apresentada aqui, um mundo onde tomamos como certa a interação entre tecnologias biológicas e digitais já está começando a surgir.

Embora esta seja uma representação de tecnologias que poderiam fazer parte de um mundo biodigital, não representa o único futuro plausível. Em vez disso, é uma vinheta imaginativa que descreve as mudanças radicais que podem ocorrer dentro de um futuro biodigital otimista. Níveis variados de acesso, adoção e realidades alternativas podem existir.

Concluindo, este documento, não passa de um artigo de propaganda transumanista tecnocrata para condicionar o leitor a aceitar ou até a ajudar os governos a implementar a transumanização e a artificialização da natureza, para afastar o ser humano da natureza, onde o mesmo pode ser independente. E torná-lo dependente desta nova estrutura social que os criadores da narrativa global estão nos submetendo. Que possivelmente, disponibilizará aos controladores mais ferramentas para controlar e direcionar a humanidade de acordo com a narrativa deles.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.